Notícias

South African Airways pretende retomar voos ao Brasil, diz CEO interino

Companhia precisará operar uma nova frota de aeronaves widebodies em rotas intercontinentais

Com o reinício das operações marcado para o dia 23 de setembro, a South African Airways sabe que precisará operar uma nova frota de aeronaves widebodies em rotas intercontinentais. Para isso, é preciso fechar parcerias mais cooperativas. O CEO interino da SAA, Thomas Kgokolo, afirmou que a SAA eventualmente pretende retornar às rotas que anteriormente geravam receita, como o Reino Unido, Alemanha, EUA e Brasil.

“Devemos garantir que obteremos a frota certa para fazer essas viagens, minimizar nossos custos e sermos capazes de competir. Uma das estratégias é ser muito mais colaborativo na forma como fazemos negócios. Onde pudermos fazer parcerias com outras companhias, como Emirates e Qatar Airways, faremos, mas nosso foco agora será estimular o mercado regional e garantir que a região esteja interconectada”, disse Thomas.

Thomas Kgokolo, afirmou que a SAA eventualmente pretende retornar às rotas que anteriormente geravam receita, como o Reino Unido, Alemanha, EUA e Brasil. “Devemos garantir que obteremos a frota certa para fazer essas viagens, para minimizar nossos custos e sermos capazes de competir

O CEO interino se referiu à ineficiência dois dois A340-600s de 18 anos restantes da companhia aérea, que permanecem armazenados em Joanesburgo. Quatro A350-900s anteriormente operados em rotas de longo curso foram devolvidos aos seus proprietários ou arrendadores, dos quais dois voltaram para Avolon e estão atualmente armazenados em Teruel; e dois para a Air Mauritius, dos quais um está ativo e o outro está armazenado em Maurício.

A SAA está programada para reiniciar os voos domésticos e regionais no dia 23, após emergir de 19 meses em recuperação judicial. Irá operar apenas uma rota doméstica entre Joanesburgo O.R. Tambo e Cidade do Cabo, e cinco rotas regionais incluindo Accra (Gana), Kinshasa N’Djili (RDC), Harare Int’l (Zimbabwe), Lusaka (Zâmbia) e Maputo (Moçambique).

Internamente, com base nas vendas de passagens, esperava-se uma taxa de ocupação de 75%, disse Kgokolo. Ele estava preocupado com a baixa demanda de viagens nas rotas regionais impactadas pelo Covid-19, mas acreditava que haveria potencial para o crescimento das rotas entre Lagos e Joanesburgo devido à maior demanda e menos concorrentes.

Para este recomeço, a SAA usará três A319-100s de 17 anos arrendados da Castlelake e um A330-300 de quatro anos arrendado da Aero Capital Solutions, todos armazenados na O.R. Tambo durante o processo de resgate da companhia, bem como dois A320-200s de sete anos arrendados da Goshawk, que recentemente retornaram a Joanesburgo provenientes do armazenamento de manutenção em Abu Dhabi.

Fonte: Mercado e Eventos

Curta nossa página no LinkedIn e fique por dentro de conteúdos exclusivos!

LEIA TAMBÉM: