Notícias

Dolores Club: a nova casa de jazz e bossa nova do Rio

 

 

Dolores Club, rua do Lavradio, 10, na Lapa. Eis o novo endereço da alma boêmia carioca. Um lugar para ouvir bossa nova, jazz e MPB, em atmosfera moderna, elegante e, ao mesmo tempo, reverente às raízes da boa música. Inicialmente, funcionará apenas nas noites de quinta-feira. Na inauguração, nesta quinta, 5 de maio, o músico Donatinho faz uma apresentação baseada na obra de seu pai, João Donato, um dos maiores compositores brasileiros.

Quem conhece música vai ligar os pontos. João Donato foi namorado de Dolores Duran, intérprete e compositora carioca que, nos anos 50, tornou-se uma referência internacional, sendo gravada por Frank Sinatra e elogiada por Ella Fitzgerald. Dolores Club é um reencontro com a artista, que viveu intensamente e partiu cedo demais, aos 29 anos. Mas, antes de tudo, é também homenagem a outra Dolores. Quem conta é o criador da nova casa.

Plinio Froes é tão apaixonado pela Lapa que há 20 anos lhe deu de presente o Rio Scenarium, o bar que, em si mesmo, é uma atração cultural. Agora, inaugura a seu lado o Dolores Club. E tudo começou na juventude, sob a inspiração de sua tia, em Minas Gerais. Uma mulher culta, alegre, apaixonada pelo jazz, que dizia que a faixa 7 de um dos LPs de Miles Davis se chamava “Dolores” em sua homenagem. “Ela falava isso e soltava aquela gargalhada que, para mim, era também música”, lembra-se Plinio.

Dolores Club celebra, assim, mulheres viscerais, senhoras de seus destinos. Essa reverência ao feminino transformador logo se vê em sua entrada. Ali está um piano de cauda que foi usado em apresentações de Elis Regina. Para que se possa admirar a beleza de seu mecanismo, o piano conta com um tampo de vidro e iluminação interna.

O próprio salão guarda a aura de outra mulher essencial, Emilinha, uma das maiores cantoras do século 20. No local, restaurado pela equipe de Plinio, funcionou o Clube Humaitá de Dança, uma gafieira onde havia um grande retrato pintado da artista, que na década de 50 foi eleita “Rainha do Rádio” e “Favorita da Marinha”.

E Plinio foi buscar uma mulher para consolidar o novo espaço. Caberá à produtora Monica Silva (Palcos do Rio) receber o público nas noites de quinta-feira. Ela, que também é filha de outra Dolores, será a parceira do projeto que irá convidar artistas para shows memoráveis.

O ambiente terá um clube de uísque (garrafas identificadas pelos nomes dos donos), uma rara geladeira de madeira, uma adega climatizada de vinhos e uma saleta mais informal decorada com sofás de época. Com 450 metros quadrados e capacidade para 120 pessoas, será aberto às 19h e os shows começarão às 21h. Não há hora para fechar, e quem quiser poderá esticar a noitada no Rio Scenarium, por meio de um acesso interno. O ingresso custa R$ 30,00, pelo Sympla. Na bilheteria, R$ 50,00. Lista amiga, R$ 25,00. Não há taxas de consumo ou couvert.

Um dos melhores bares do mundo

Plinio Froes, nascido em Ferros (MG), criou em 2002 o Rio Scenarium, na rua do Lavradio. A beleza, o alto padrão de atendimento e da programação fizeram com que, em 2006, o jornal londrino “The Guardian” selecionasse o estabelecimento entre os 10 melhores bares do mundo. Nos anos seguintes, no mesmo quarteirão, Plinio criou dois restaurantes: o Mangue Seco, de frutos do mar, e o Santo Scenarium, de alta gastronomia.

Fonte: Diario do Porto

Curta nossa página no LinkedIn e fique por dentro de conteúdos exclusivos!

LEIA TAMBÉM: